Valeriana (Valeriana officinalis)

É uma planta herbácea de sabor aromático, forte, característico e pouco amargo. É originária da Europa e oeste da Ásia, sendo bastante utilizada pelos médicos árabes e durante a Primeira Guerra Mundial para tratar neuroses. A diversidade de seus efeitos terapêuticos é conhecida desde os tempos do Renascimento. Era muito usada pelos médicos para tratar dos ataques histéricos das damas da nobreza européia.

Seu nome origina-se da palavra latina 'valere', que significa saúde. A valeriana já era conhecida pelos anglo-saxões no tratamento do sistema nervoso em casos de excitação e insônia. Os incas serviam-se dela como ungüento para massagens, obtendo uma pasta a partir da mistura da raiz pulverizada com óleo, que era utilizada como relaxante muscular e calmante para a pele.

A valeriana também é conhecida pelos nomes de valeriana silvestre e erva-dos-gatos. Esse nome deve-se a um fato inusitado: os felinos, de modo geral, e os gatos em particular, parecem saber das propriedades da planta e a usam como relaxante muscular. Alguns estudos veterinários verificaram que determinados animais são viciados na planta, e que alguns de seus componentes podem agir no sistema nervoso animal como uma espécie de droga.

A atividade sedativa da valeriana deve-se a um componente chamado valeropotriato, que é extraído do óleo essencial. Essa substância age como depressora do sistema nervoso, atenua a irritabilidade nervosa, melhora a coordenação e reduz a ansiedade, fazendo com que a valeriana seja usada oralmente como sedativo hipnótico para insônia, distúrbios do sono e ansiedade, para distúrbios de humor, tais como depressão e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade (DDAH), para diminuir cólicas menstruais e para ajudar a aliviar a dor muscular e nas articulações.

Diversos estudos comprovam a capacidade da valeriana de reduzir o tempo para adormecer e melhorar a qualidade do sono.

Como qualquer fitoterápico, a valeriana também possui algumas contra-indicações: não deve ser usada por pacientes hipertensos, crianças abaixo de 12 anos, gestantes e mulheres em fase de amamentação.

Seus principais efeitos colaterais são: cefaléia, agitação, reações alérgicas cutâneas, aumento da pressão arterial, insônia e excitabilidade (quando doses muito superiores a 1000mg/dia). O uso da valeriana a longo prazo também foi associado com doenças hepáticas. Algumas pessoas podem apresentar cefaléia, desconforto, distúrbios cardíacos, náuseas matinais e comprometimento no estado de alerta. Há potenciais interações com álcool, com outras ervas e com drogas com propriedades sedativas.

A dose diária varia para cada paciente, devendo ser individualizada através de uma consulta médica, mas não deve ultrapassar 1000mg diários.

Partes utilizadas

Raiz e rizomas.

Extratos disponíveis na farmácia

Extrato seco (cápsulas), tintura-mãe e tintura oficinal (líquidos).

Referências bibliográficas:

1. Albrecht M, Berger W, et al. Psychopharmaceuticals and safety in traffic. Zeits Allegmeinmed, v. 71, p. 1215–21, 1995.

2. Brown DJ. Herbal Prescriptions for Better Health. Rocklin, CA: Prima Publishing, , p. 173–8, 1996.

3. Dressing H, Köhler S, Müller WE. Improvement of sleep quality with a high-dose valerian/lemon balm preparation: A placebo-controlled double-blind study. Psychopharmakotherapie, v. 6, p. 32–40, 1996.

4. Kohnen R, Oswald WD. The effects of valerian, propranolol and their combination on activation performance and mood of healthy volunteers under social stress conditions. Pharmacopsychiatry, v. 21, p. 447–8,1988.

5. Mennini T, Bernasconi P, et al. In vitro study on the interaction of extracts and pure compounds from Valeriana officinalis roots with GABA, benzodiazepine and barbiturate receptors. Fitoterapia, v. 64, p. 291–300,1993.

6. Leathwood PD, Chauffard F. Aqueous extract of valerian reduces latency to fall asleep in man. Planta Med. v. 51, p.144–8, 1985.

7. Leathwood PD, Chauffard F, Heck E, Munoz-Box R. Aqueous extract of valerian root (Valeriana officinalis L) improves sleep quality in man. Pharmacol. Biochem. Behav., v. 17, p. 65–71, 1982. 8. PDR for Herbal Medicines, 2.ed, p.783-5.