Garra do Diabo (Harpagophytum procumbens) - Anti-inflamatório natural

Planta originária da África, seu habitat natural é o deserto de Kalahari e as estepes da Namíbia. O nome Garra do Diabo provém do aspecto do fruto ramoso e lenhoso provido de extremidades semelhantes a garras, por isso também o nome em inglês “devil´s claw”.

A garra do diabo é um antiinflamatório, antireumático e analgésico natural, que age por inibição da síntese de prostaglandinas, hormônios que são formados durante o processo inflamatório.

É um fitoterápico que auxilia muito no tratamento de várias doenças inflamatórias, como artrite reumatóide, artrose, fibromialgia, bursite, gota e tendinite.

Não deve ser utilizado por mulheres grávidas (por possuir componentes abortivos), nem em fase de lactação, pacientes com úlcera gástrica e no duodeno, pacientes com síndrome de cólon irritável e com cálculos (biliares e renais).

O extrato seco de Harpagophytum procumbens possui como seus principais ativos os harpagosídeos, que são os responsáveis pelo efeito analgésico, antiespasmódico e antiinflamatório.

Os fitoterápicos em geral são utilizados como coadjuvantes no tratamento das doenças, e no caso específico da garra do diabo, notou-se que os pacientes acabam por precisar de doses menores de corticóides e antiinflamatórios sintéticos ao longo do tratamento.

Seus principais efeitos colaterais, já relatados em literatura, são: dor de cabeça, zumbidos, perda de apetite e do paladar, efeito laxante no início do tratamento.

O uso em doses muito elevadas pode levar a lesão hepática, e não se deve usar a garra do diabo ao mesmo tempo com medicamentos utilizados para o tratamento de pressão (tanto alta como baixa) e problemas cardíacos, pois seus princípios ativos podem interferir na ação destes.

Para maiores informações, consulte seu médico de confiança. Somente ele poderá saber qual a dosagem e posologia indicadas para seu caso.